Você está louco para começar uma faculdade, mas acha que não vai dar quando confere o preço da faculdade dos seus sonhos? Caso você queira continuar estudando, mas está neste impasse, a saída pode ser um financiamento estudantil.

Este recurso funciona como um empréstimo: os custos da faculdade são pagos pelo governo, pela própria faculdade ou por uma instituição financeira de forma integral ou parcial. Depois de algum tempo, o estudante devolve esse valor de forma parcelada, com juros e correção.

Bolsa de estudos não é financiamento estudantil

É preciso esclarecer que financiamento estudantil é diferente de bolsa de estudos. Como já mencionamos acima, o financiamento funciona mais ou menos como um empréstimo. Dependendo de qual instituição te ‘empresta’ essa grana as condições de pagamento e os juros podem ser melhores.

Já uma bolsa de estudos funciona mais como um benefício concedido, pode ser desconto na mensalidade ou pode ser um auxílio de custo. Geralmente para conseguir uma bolsa, o aluno deve cumprir algum requisito, como ter boas notas.

Algumas opções

Confira algumas opções de financiamento estudantil que podem te ajudar a cursar aquela faculdade que você sonha há tempos.

FIES

O Fundo de Financiamento Estudantil financia estudos de alunos que não podem pagar faculdade particular. Os juros são de 3,4% ao ano, taxa trimestral de R$150 e o pagamento da dívida começa só 18 meses após a conclusão do curso.

Para participar do FIES é preciso:

  • Tem feito o Enem, com nota mínima de 450 pontos e sem zerar na redação;
  • Se matricular em cursos com avaliação positiva pelo Mec, em instituições que aceitam o programa. O aluno também deve ter feito o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio);
  • A renda familiar mensal do aluno não pode ultrapassar três salários mínimos.

O FIES trabalha com juros de mais ou menos 6% ao ano e cobra uma taxa trimestral no valor de R$ 50, como pagamento dos juros.

financiamento-estudantil

Bolsa Universidade

O programa do governo de São Paulo para alunos que não podem pagar sua faculdade. O aluno ganha bolsa integral, sendo 50% pagos pelo Governo e 50% pagos pela universidade. Diferente do FIES, o bolsista paga pelos estudos trabalhando em atividades do programa Escola da Família, aos finais de semana. Pode participar quem:

  • É residente no Estado de São Paulo;
  • Está matriculado em faculdade conveniada;
  • Não receber outra bolsa ou financiamento do governo;
  • Não possuir outra faculdade.

PEP

O Parcelamento Estudantil Privado é um parcelamento pré-aprovado para estudantes ingressantes no Ensino Superior. Permite que até 70% do seu curso seja parcelado com correção pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo). Além de ser um processo ágil, o PEP exige o resultado do Enem como pré-requisito.

Pra Valer

Disponível em mais de 300 instituições conveniadas em todo o Brasil e funciona de forma semestral. Ou seja, para pagar um semestre você leva no mínimo um ano. As parcelas não acumulam porque você só começa a pagar a segunda contratação quando terminar a primeira. Assim, se você financiar todos os semestres de um curso de 4 anos, serão no mínimo 8 anos para pagar. Requisitos necessários:

  • Ter um “garantidor” com renda superior a um salário mínimo ao mês
  • Não ter nome no SPC/Serasa.

Gostou dessas opções? Então faça as contas, tente economizar algum dinheiro e comece a procurar a faculdade ideal pra você!