Que nós vivemos em um mundo tecnológico, isso não é novidade pra ninguém, certo?

 

A palavra tecnologia é de origem grega: tekne e significa “arte, técnica ou ofício”. Já a palavra logos significa “conjunto de saberes”. Ao encararmos essa “realidade digital” nos deparamos com diversas novidades interessantes de ‘cair o queixo’ de qualquer professor, não? E assim não será diferente para essa nova geração que cresce com todo esse fervor da inovação! Nossos alunos estão cada dia mais tomados por avalanches de informações, e isso precisa ser dosado, porém, instigado desde muito cedo. A tecnologia está em todos os segmentos da atualidade e não poderíamos deixar isso fora do nosso sistema Bilíngue. O colégio conta com aulas inclusive no modelo “sala invertida”.

Hoje, para que ocorra aprendizagem deve haver dinamismo, o professor necessita de adaptação tanto quanto os alunos.

Observamos uma aula de robótica para os alunos do bilíngue no período integral – ministrada por uma tutora do Colégio ENIAC, Luisa Camerini, “Guru Maker”: é notável e instigante a facilidade com que alunos parecem já “nascer sabendo” manipular todos os veículos digitais e métodos usados no laboratório FabLab. Os alunos recebem instruções, em inglês, como se fossem coordenadas, e em grupos pensantes desenvolvem/constroem vários formatos e figuras previamente instruídas pelo tutor. Ao abordarmos idades( seja de 2(dois) a 13(treze) anos) a ludicidade e a autonomia de execução torna-se outra. A partir dali, temos boas ideias como trabalhar com alunos de personalidades diversas, e notar como aptidões afloram com a tecnologia.

Durante a aula é requerido que os alunos façam diversos tipos de peças (Lego) e montagens de diferentes proporções, por meios de plantas dos projetos a serem construídas e projetadas na lousa; as técnicas são todas ensinadas em inglês e atiçam os alunos gerando uma competitividade saudável. Sabemos que trabalhando com as habilidades todos os dias o ensino se torna muito mais fluído e prático (sentido literal), pois os alunos além de manusearem as peças de tamanhos e formas diferentes – sem contar nas cores vívidas – praticam, também, o senso de lógica em outra língua, por meio de comandos.

Podemos, em suma, afirmar que o ensino está passando por uma transformação histórica, se pensarmos em tecnologia como um fator modificador do meio onde o homem vive . Ela nos dá acesso a lugares onde não podemos estar fisicamente, além de abrir novos caminhos na construção do saber. Nossa tarefa, como educadores, é orientar os discentes, pois é na  educação que necessitamos, inclusive, de especialização para as novas ciências. Ao orientarmos um outro ser humano é necessário que tenhamos, responsavelmente, um conceito embasado do “porquê” precisamos passar o conhecimento, para melhor usufruto de toda uma vida digital. Sendo assim, formamos seres pensantes, criativos e com maiores habilidades para resolução de problemas, seja no escopo pessoal ou profissional.

Texto:Fernando Machado-Coordenador Pedagógico do Bilíngue

 

Por: Miriam Barcellos

Publicado em: 25 de setembro de 2018

Categorias: Aprendizagem Ativa, Colégio, Educação, Educação Infantil, Inovação
Tags: .