Liberdade e Responsabilidade na formação empreendedora

A Assessora de Inovação Pedagógica do Colégio e Centro Universitário Eniac participa do 6° Seminário Internacional de Inovação Acadêmica promovido pela Expertise Educação em Tampere, Finlândia.

O evento reúne 24 professores de diferentes instituições brasileiras em treinamento na Proakatemia , academia ligada ao núcleo de Ciências Aplicadas da TAMK University e que visa a formação do administrador empreendedor

Na Proakatemia, comenta a Profa. Me. Simone Vianna, o curso de Bacharel em Administração é realizado em 3,5 anos e acontece de forma bastante diferenciada:

  • Os estudantes estão no centro do processo de aprendizagem o tempo todo. Até aí, nenhuma novidade, não é mesmo?;
  • Na maior parte do tempo não existem aulas, apenas sessões de treinamento em time, sessões de desenvolvimento individual, encontros para acompanhamento e apresentação de resultados, alguns seminários e workshops e muita leitura/estudo individual;
  • Não há provas e os estudantes criam e trabalham em seus próprios negócios. Isso mesmo, um negócio real onde existe investimentos, clientes e fornecedores verdadeiros;
  • As horas de trabalho dos estudantes da Proakatemia são convertidas em créditos que conferem sua aprovação;
  • Seus mentores são os coachings, profissionais empreendedores e com formação docente que os mentoriam desde que iniciam na Proakatemia.

Um dos estudantes que nos recebeu, responsável pela maior parte de nosso treinamento, afirmou que "o currículo da Proakatemia exige confiança e honestidade e que para viver nela é preciso ser muito organizado porque ninguém vai te dizer o que fazer e o que estudar [...] Na Proakatemia se você não tiver um projeto ninguém vai te dar um e daí você não consegue créditos". Quando questionado sobre a avaliação de sua aprendizagem o estudante responde: "se temos muitos clientes satisfeitos, acredita-se estamos com nota boa (risos)".

  • No 1º ano os estudantes cursam o que eles chamam de "o básico da administração e negócios". Em visita, observei que o tal básico já acontece com um formato um pouco diferenciado. Há, por exemplo, um espaço de co-working em que trabalham simuladamente com empresas fictícias.
  • No início do 2º ano, apenas 60 estudantes (de um total aproximado de 800 aspirantes) são selecionados para a Proakatemia e nela permanecem (se não forem demitidos) por dois anos (3º e 4º anos). Nesse período vão buscar seus próprios projetos, sua rede de contatos, clientes e fornecedores e nesses projetos trabalham por dois anos.
  • No último semestre, após três anos de formação, cada estudante deve entregar sua tese final.

O método funciona a partir da seguinte perspectiva: primeiro se cria CONFIANÇA entre todos os estudantes que compõem uma equipe e entre equipe e coaching; depois, se estabelece a CORAGEM de fazer acontecer;  esta, por sua vez, permite a IMPLEMENTAÇÃO de algo que está condicionado a erros e acertos, acertos e erros, mais erros e acertos e, com isso, ocorre o APRENDIZADO; um aprendizado que potencializa o SUCESSO de ser um bom empreendedor.

Um dos coachings quando questionado sobre como faz para ativar seus estudantes, respondeu: "Conferimos à eles liberdade e responsabilidades e isto os deixa ativos" [...] "os coachings não oferecem respostas prontas e diretas, ao invés disso, respondem às perguntas de seus estudantes com outras perguntas, pois são eles que precisam pensar e encontrar suas respostas". Acrescenta, ainda, que"estamos sempre empurrando-os para fora de suas zonas de conforto e, ao mesmo tempo, os apoiando".

Você consegue imaginar como esses dois elementos, liberdade e responsabilidade, podem ser utilizados conjunta e eficientemente para a formação de seus estudantes?

Por: Simone Vianna

Publicado em: 15 de novembro de 2017

Categorias: Aprendizagem Ativa
Tags: , , .