No terceiro dia do festival, Pedro assistiu a uma palestra com professores, funcionários da Google e da Adobe sobre a importância da criatividade na resolução de problemas, habilidade essencial para os futuros profissionais da era da automação. Interessante foi que, diferente do que muita gente pensa, segundo esses professores, a criatividade pode ser desenvolvida e deve ser estimulada contribuindo para um futuro profissional de sucesso e que esta habilidade auxilia os estudantes a alcançar postos de trabalho melhores, com salários maiores.

Apesar de toda essa importância, a criatividade, ainda hoje, não tem merecido a devida atenção dentro do ambiente acadêmico. E os motivos para que isso aconteça são as barreiras que o professor criativo tem que transpor como a falta de tempo para criar, a necessidade de seguir fazendo as avaliações padrões (que estão completamente desatualizadas!), além da comum falta de acesso e treinamento, tanto do professor quanto de seus estudantes.

Os professores destacam que, atualmente, há pouca ênfase na aprendizagem através do fracasso (a famosa tentativa e erro), na autonomia na aprendizagem, no aprendizado inovador, no trabalho em diversos times, na investigação, na persistência e no espírito empreendedor, tanto no ensino médio, quanto no superior.

Esses professores acreditam que a solução para um ensino mais criativo, que resolva os problemas pode ser feita através de três passos: reforma do currículo, treinamento de professores e acesso a tecnologia. Para isso precisamos contar com a ajuda de administradores, diferentes esferas governamentais (municipal, estadual e federal), organizações não governamentais e grandes corporações do segmento tecnológico.

E para finalizar colocam:

Nós professores, não somos mais um depósito de informações, somos desafiadores de aprendizes!

Haja criatividade para assumir esse papel!

 

 

Ana Bondioli

Por: Ana Bondioli

Publicado em: 8 de março de 2018

Categorias: Aprendizagem Ativa.